A VERDADEIRA LIBERDADE

>

A VERDADEIRA LIBERDADE….

A Doutrina da Liberdade (Gálatas 3 – 4)
Paulo repreende os gálatas por terem-se afastado da verdade da justificação pela fé e diz-lhes que a experiência espiritual deles não tinha nenhuma conexão com a sua observação da Lei (1-5). Ele apresenta então o argumento de que a justificação é pela fé, sem as obras da Lei (3.6 – 4.7). Os seus pontos principais são os seguintes: 1. Mesmo Abraão, o amigo de Deus, não foi justificado por suas obras, mas, sim, pela fé (v.6), de sorte que, quem observa a Lei de Moisés, não é filho de Abraão (compare com Mateus 3.9), mas, aquele que é justificado pela fé (v.7)


2. O pacto que Deus fez com Abraão foi um pacto de fé (vv.8,9). Isto não tem nada com o pacto de Moisés, que era um pacto de obras (v.10). O pacto de Abraão foi feito primeiro, mas a Lei, com a sua maldição, foi acrescentada depois, e assim, vedou o caminho pelo qual a bênção de Abraão viria ao mundo. Mas Cristo, por sua morte, removeu a maldição da Lei (v.3), para que a bênção de Abraão viesse sobre os gentios bem como sobre os judeus (v. 14).


3. Paulo explica em seguida a relação entre os pactos de Abraão e de Moisés (3.15-18). Se a bênção de Abraão tivesse de vir pelas obras da Lei [cumprimento das exigências da Lei], então a recepção dessa bênção seria condicional à guarda da Lei, mas o pacto com Abraão é incondicional (v. 18). A inferência do versículo 18 é que, se a bênção de Abraão tiver de vir ao mundo pela observância da Lei, esta bênção nunca virá, porque ninguém poderá ser justificado pela Lei. nadie esta tan serca de Dios que no nesecite mas de El .


4. Paulo agora explica também o propósito da Lei e a sua relação com o crente (3.19 – 4.7). Os argumentos anteriores de Paulo causam a seguinte pergunta aos judeus: se a Lei não pode salvar, por que foi dada ao homem? (v.19). O pacto com Abraão prometia a salvação pela fé sem as obras da Lei. Mas como podia Deus ensinar ao homem que a salvação viria unicamente pela fé, sem qualquer esforço da sua parte? Somente por colocá-lo sob a Lei e mostrar-lhe que a sua natureza pecaminosa não podia guardar perfeitamente os seus preceitos, fazendo-o desta maneira recorrer à fé como meio de salvação (v. 19). A Lei não está em oposição ao pacto de Abraão, porque nunca teve por finalidade salvar o homem (v. 21); foi dada para mostrar ao homem a sua necessidade da salvação pela fé (vv. 22, 23). Paulo roga-lhes que voltem para a plena liberdade do evangelho (4.8-31).


A Vida de Liberdade (caps. 5 e 6)
1. Permanecei firmes na liberdade da graça, porque a Lei não vos pode salvar (5.1-6).
2. Afastai-vos dos falsos mestres que perverteram o evangelho e vos fizeram escravos do legalismo (5.7-12).
3. Embora estejais livres da Lei de Moisés, não estais livres para pecar. Andai no amor e assim cumprireis a Lei (5.13, 14).
4. Sereis tentados, contudo, pela natureza carnal, mas obedecei aos impulsos do Espírito e sereis vitoriosos (5.16-26).
5. Levai as cargas uns dos outros e sede pacientes com os que cometem faltas (6.1-5).
6. Ajudai aos vossos pastores e assim recebereis a bênção divina (6.6-10).
7. Conclusão (6.11-18). Cuidado com os judaizantes. Sei muito bem que desejam ganhar-vos simplesmente para obter uma reputação de zelo. Gloriai-vos somente na cruz, na qual unicamente há salvação.


AGORA VOCÊ ESTÁ LIVRE!
Jesus trouxe a liberdade esperada por grande quantidade de anos. Uma liberdade
das forças das trevas que colocava sobre o seu jugo o fardo. Fardo de correntes
de vícios, mágoas, tristezas, falta de perdão.
A liberdade doada pelo amigo verdadeiro chamado JESUS. Entretanto os homens têm
criado artifícios superficiais para impedir de você ser livre. Você pode dirigir
ao Pai diretamente, mas, primeiro você precisa reconhecer que Cristo é o seu
Senhor. Sem confissão, sem declaração não poderá dirigir ao Senhor.


Por que é necessário fazer uma declaração? Porque por ela você passa a ter um documento que permite você dirigir-se ao Pai, digo ao Criador dos Céus e da Terra. A profissão da fala constitui-se um instrumento para que você reivindique
dEle suas bênçãos, suas promessas e tudo que te pertence.
As pessoas que se fecham para recebê-Lo em sua vida, por meio da confissão livre
e espontânea, também fecham as bênçãos para sua vida. Não se trata aqui de


articular o pensamento ou a dialética da fala ou do discurso.
A confissão pública do homem vale muito.
Quando o homem e a mulher se declaram perante o juiz ou perante o pastor de sua
igreja. O que está valendo não é a cerimônia em si, mas o ato da fala perante a
sociedade. Embora os acessórios acompanham o principal. Mas é necessário expressar por meio da palavra.
A nossa palavra tem um peso especial diante de Deus. Ele observa tudo que
falamos ou pensamos, desta forma, é importante e de muita valia sua declaração
de recebimento do senhorio de Cristo em sua vida. Mas friso: esta escolha é sem
coação ou por força, o Espírito Santo de Deus que mostra de maneira clara a


oportunidade de você professar uma confissão pública a respeito de Jesus Cristo.
Portanto, sua vida será outra, deste que você permita que Jesus por meio de seu
Espírito Santo faça a obra em sua vida. Ele quebrará os grilhões que o amarram,
os espíritos que o arrastam para o fundo. Ele é Senhor, mas, cabe a você tomar
uma decisão. Então a oportunidade é agora, se com a tua boca confessares a Jesus
o Senhor, serás transformado. Pense neste lembrete.


Todas as Postagens, São de Caracter Evangelicos, exemplo. Literaturas, Poesias, ou messagens, Deus abençoe nesta leitura e que possa te ajudar Espiritualmente. Cordialmente pastora Graicy Oosterbaan

This entry was posted on domingo, julho 25th, 2010 at 16:02 and is filed under Sem categoria. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Post a Comment